Geru e Rebel anunciam fusão e se tornam a maior fintech de crédito sem garantia do Brasil

Entenda a tramitação entre as plataformas de crédito e os próximos passos a serem dados com essa fusão.

SHARE

As duas plataformas de crédito pessoal brasileiras, Geru e Rebel, acabam de anunciar uma fusão, o que cria a maior fintech de crédito sem garantia do Brasil. A operacionalização do negócio será feita a partir de uma holding que já está sendo criada e ganhará o nome de Open Co. Para o consumidor final ,Geru e Rebel continuarão existindo, mas ambas as companhias estarão acopladas a Open Co.

Quanto aos acionistas, tanto os da Geru como os da Rebel terão ações da holding. Fazem parte dessa lista nomes como Chromo, o family office de Jayme Sirotsjy, Sampa Ventures, Monashees e LTS.

Juntos são mais fortes

A Geru entra no acordo com sua forte atuação em clientes bancarizados e que já tem acesso a crédito. Já a Rebel vem com seu foco em usuários com pontuações de créditos menores.

A fusão cria uma companhia com carteira superior a R$ 800 milhões em empréstimos e um market share de 1,5% de todo o mercado brasileiro de crédito. Segundo os fundadores é esperado que a empresa origine mais de R$ 1 bilhão em crédito, o que seria basicamente o que as duas fintechs fizeram até agora nos últimos 5 anos separadas.

Momento favorável

A fusão ocorre em meio a um ambiente regulatório favorável ao crescimento das fintechs, afinal estamos em plena era do open banking e o do pix, que aumentam os mercados endereçáveis e reduzem custos para startups.

Sem contar, claro, a aceleração do COVID na digitalização dos consumidores. A população brasileira se viu forçada a entrar no ambiente digital para conseguir se adaptar a nova realidade do isolamento, assim como da necessidade dos auxílios.

Apesar de empresas de crédito sofrerem um certo ceticismo do mercado em relação à sua capacidade de se manter em meio a momentos turbulentos do mercado, Geru e Rebel conseguiram passar pela pandemia sem grandes problemas.