Onde está Jack Ma?

Um dos homens mais ricos da China está há mais de dois meses sem aparecer em público e a pressão em cima do gigante e-commerce asiático não para de crescer.

SHARE

Onde esta Jack Ma

De acordo com grandes portais americanos, o magnata Jack Ma, fundador do Alibaba e do Ant Group, não é visto em público desde o final do ano passado. O desaparecimento acontece em meio à pressão da China em torno do e-commerce que já vinha ocorrendo desde 2020.

Reguladores chineses começaram a investigar o Alibaba por supostas práticas monopolistas. Além disso, o governo da China já havia ordenado que o Ant Group reduzisse as operações da Alipay após anunciar preocupações sobre a governança corporativa da companhia, chegando a dizer que ela "não era sólida."

A polêmica do desaparecimento se agravou ainda mais quando Jack Ma deixou de participar de seu reality show, sendo substituído das últimas gravações da temporada.

Final de ano nada bom

A China em novembro já havia suspendido inesperadamente o IPO do Ant Group, cotado para o ser o maior de todos os tempos. Estimasse que o mesmo chegaria a atingir US$ 34 bilhões. O governo chinês afirmou que o grupo "não cumpria os padrões de listagem e requisitos de transparência".

Com o endurecimento das regras na indústria de tecnologia financeira da China, Jack Ma chegou a perde US$ 11 bilhões em 2 meses. De acordo com a Bloomberg Billionaires a fortuna do Chinês em 2020 chegou a ser de US$ 61,7 bilhões, mas hoje está avaliada em US$ 50,9 bilhões.

Mas o que isso representa?

Alguns analistas interpretam a medida como uma tentativa de Pequim de controlar o crescimento de gigantes de tecnologia e até do próprio Jack Ma, sempre muito incisivo em suas declarações. Há quem diga ainda que o magnata deixou de ser um símbolo do potencial da China para se tornar uma ameaça. Especialistas acreditam que também possa ser uma ação dentro da reforma do setor financeiro que o país vem passando, se caracterizando assim como mais uma meta política de longo prazo do governo de Pequim.

Antes de toda essas medidas e seu desaparecimento, Ma chegou a criticar publicamente os bancos chineses controlados pelo Estado, chegando a dizer que "casas de penhores" não tem vocação para inovação.